Funcionários dos Correios entram em greve em todo o Brasil

Funcionários dos Correios entram em greve em todo o Brasil

Aproximadamente 70% dos funcionários dos Correios em todos os Estados do País decidiram entrar em greve a partir das 22 horas da última segunda-feira, 17. A paralisação ocorre por tempo indeterminado, em protesto contra a retirada de direitos, a privatização da empresa e a falta de medidas para proteger os empregados da pandemia do novo coronavírus. Segundo as informações da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect).

Em nota, a federação afirma ter sido surpreendida com a revogação, a partir de 1º de agosto, do atual acordo coletivo, que vai até 2021. Segundo a entidade, 70 cláusulas com direitos foram retiradas, como 30% do adicional de risco, vale-alimentação, licença-maternidade de 180 dias, auxílio-creche, indenização por morte e auxílio para filhos com necessidades especiais. Além de pagamentos como adicional noturno e horas extras.

Sobre as ações da empresa para enfrentamento da pandemia, a federação relata que teve de acionar a Justiça para garantir aos empregados equipamentos de proteção individual. Além disso, álcool em gel, testagem e afastamento daqueles integrantes de grupos de risco e dos que coabitam com crianças em idade escolar. A entidade afirma que se trata de estratégia para precarizar e privatizar a empresa.

Encomendas

Para quem precisa enviar encomendas ou correspondência com urgência nesse período, a recomendação principal é procurar por serviços de entrega alternativos ou privados. Entretanto, o Idec recomenda que o consumidor, ao contratar essas empresas, solicite que o prazo de entrega seja registrado por escrito, o que possibilita a reclamação. Isso para caso ocorra algum prejuízo devido a atrasos.

Caso o consumidor tenha contratado serviços de entrega diretamente nos Correios (por exemplo, envio de Sedex), é possível pedir o ressarcimento ou abatimento do valor se houver atraso na entrega. Assim, a reclamação deve ser feita em algum órgão de defesa do consumidor, como o Procon. Pode-se exigir, em Juizado Especial Cível, indenização para ressarcimento de eventual prejuízo moral ou financeiro.

Dicas Oruc

É importante ressaltar, caso você seja um cliente Oruc, existem outras possibilidades bastante práticas. Não deixe de verificar as integrações, além dos Correios, que você tem na nossa plataforma! Para acessar basta clicar aqui.

Além disso, dentro do painel da sua loja na Oruc você terá algumas opções para tratar esse problema. Entre elas a opção de habilitar um prazo extra global nos Correios. Apesar de impactar nas conversões da sua loja nesse período, indicamos esta medida para prevenir possíveis frustrações dos seus clientes por conta de possíveis atrasos.

Outra solução possível dentro da Oruc é a edição dos e-mails automáticos que são disparados aos clientes no ato e na jornada da compra, sendo possível colocar em destaque uma nota acerca dos possíveis atrasos por conta da greve.

Por fim, temos também a ferramenta de Pop-up em sua loja virtual onde é possível a inclusão de um banner informando antecipadamente seus clientes sobre a greve e possíveis atrasos. A decisão acerca de qual ferramenta utilizar dependerá da estratégia da sua empresa e somente será necessária caso sua loja virtual continue utilizando os serviços dos correios nesse momento.

Plano para minimizar os danos já está em execução  

Ademais, os Correios informaram que já colocou em prática seu Plano de Continuidade de Negócios para minimizar os impactos à população. Medidas como o deslocamento de empregados administrativos para auxiliar na operação, remanejamento de veículos e a realização de mutirões estão sendo adotadas.

Entretanto, segundo a estatal, a rede de atendimento está aberta em todo o país e os serviços, inclusive Sedex e PAC, continuam sendo postados e entregues em todos os municípios.

Para mais informações, os clientes podem entrar em contato pelo telefone 0800 725 0100 ou clicando neste link.

 

Compartilhar